Dicas para lidar com o sobreendividamento

Crédito Malparado

Os empréstimos chegam a arruinar vidas tal é o sobreendiviamento que causa em muitas famílias . Em outros anos de estabilidade da economia em Portugal era recorrente as famílias Portuguesas recorrerem ao financiamento da banca para conseguir comprar casa , carro ou outros bens que na altura era importantes.

No entanto os tempos mudaram , e apesar de muitos criticarem que no passado não se deveria ter recorrido à banca tantas vezes, na nossa opinião o mais importantes nesta época actual e nos próximo anos, é não estar sempre a criticar, mas sim arranjar soluções . Se você é uma das milhares de pessoas que estão com dificuldades em pagar os seus créditos ou já entrou em incumprimento pontualmente deve seguir estas nossas próximas dicas para o ajudarem a minimizar os danos no seu orçamento familiar.

Algumas formas de minimizar os danos do incumprimento bancário

1)Se utiliza cartões de crédito deve simplesmente desfazer-se deles de forma a não os utilizar mais. É recorrente quem os utiliza e está a passar por dificuldades financeiras usar o cartão de crédito para pagar outras prestações bancárias , e acredite que isso não o está a ajudar mas sim a adiar um problema. Os cartões de crédito em Portugal são umas das principais causas para o sobreendividamento dos Portugueses porque permite o seu uso e pagar depois com juros. No entanto os cartões só devem ser usados para uma emergência , caso contrário vai estar a pagar bastantentes de juros todos os meses e a tentação irá ser cada vez maior porque o plafon vai aumentado. Em caso de incumprimento no seu cartão de crédito os juros aumentam ainda mais causando grande impacto nas suas finanças contribuindo em grande escala para ficar sobreendividado.

2)Considere a hipótese de vender algumas coisas que já não precise. O importante é encarar a situação com optimismo sabendo que está a vender para liquidar montantes em dívida. Mesmo em bens como automóvel, motas ou ouro pondere vender, porque de nada lhes valerá se num futuro próximo entrar numa espiral de incumprimento e nunca mais sair de lá.

3)Reduza os seus gastos, fazendo uma lista de todas as suas despesas actuais. Tudo o que for dispensável tem de ser cortado de imediato, e estude alternativas mais económicas para o que realmente necessita. Veja por exemplo o seu tarifário de telefone se é o mais adequado e caso esteja numa situação de desemprego e carência económica informe-se sobre as tarifas sociais do gás, água e luz. São algumas dezenas de euros que poderá poupar.

4)Elabore um orçamento rigoroso e mantenha-o durante todo o ano. É importante separar o dinheiro para as despesas que tem que enfrentar mensalmente e racionalizar o restante da melhor fora possível para o resto de mês.

5)Pondere a consolidação de créditos de forma a pagar apenas uma mensalidade e assim reduzir custos. É um produto bancário que vários bancos e financeiras têm e permite caso não tenha o nome no Banco de Portugal juntar todos os seus créditos que deve num só ficando a mensalidade reduzida entre 30% a 50% mediante cada caso.

6) Não procure financiamento se está endividado. Muitas pessoas comentem o erro de procurar quem lhes empreste dinheiro através da internet e anúncios duvidosos em jornais, porque não conseguem obter financiamento na banca tradicional derivado a ter o nome no Banco de Portugal. Se está nesta situação , saiba que maioria desses anúncios ( senão todos mesmo ) que lhe prometem financiamento mesmo com o nome no BDP e sem garantias nenhumas é fraude. provavelmente vão lhe dizer que conseguiram que lhe emprestassem e que é uma financeira de fora de Portugal mas que primeiro terá que pagar as taxas de dossier ou algo do gênero para lhe enviarem o dinheiro.Assim que enviar o dinheiro nunca mais ouve falar deles ou dizem que afinal houve um problema qualquer.

O melhor é ir pelas vias normais, isto é , tente a consolidação dos seus créditos, mas se a situação não permitir terá que provavelmente renegociar os seus créditos de forma a conseguir pagar e para casos mais extremos, recorrer à insolvência pessoal .

7) Pondere os empréstimos particulares só se for para resolver toda a sua situação financeira e se tiver consciência que tem meios para cumprir o empréstimo. Seja com um familiar ou amigo , lembre-se de contratualizar tudo como manda a lei, desde taxas de juros exigidas, prazos e condições, porque mais tarde pode haver problemas e depois não estando nada escrito e contratualizado , é dificil provar quem tem razão.

8) Não deixe os problemas financeiros interferirem com o seio familiar. É muito comum as familias se degradar quando existem problemas de endividamento. De nada vale culpar A ou B por uma má gestão do passado, ou discutir pela melhor forma de lidarem com o dinheiro. O importante é o casal chegar a um consenso e juntos deliniar um plano para enfrentarem a situação.

Esperamos que de alguma forma este artigo lhe seja útil e que o ajude a encontrar o melhor caminho para o seu caso. Caso tenha alguma dúvida sobre endividamento, penhoras ou insolvência, deixe a sua questão nos comentários , que teremos todo o prazer em ajudar.

 

 

 

Comments

  1. By ISABEL MARIA

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.