Penhora de ordenado

Prestações em mora, as consequências

Ordenados penhorados acontecem quando existe uma dívida em incumprimento, podem ser dívidas de créditos bancários ou serviços entre outros exemplos. A penhora acontece após algumas prestações em mora, dos quais o devedor não pagou e o credor tenta reaver o dinheiro através da penhora de ordenado, penhorando a mesma no máximo permitido por lei de 1/3 do vencimento líquido . Existe algumas regras entre as quais destacamos não ser permitido a penhora de 2/3 se um salário e também a impenhorabilidade do ordenado mínimo segundo o artigo 824.º do Código de Processo Civil.

Alguns exemplos ;

Salário de 500 euros.

A penhora não irá ser de 1/3 de 500 euros, mas sim 1/3 do valor do ordenado mínimo nacional para os 500 euros, neste caso seria de 25 euros .

Salário de 1500 euros

A valor aqui penhorado será de 500 euros, porque os valores assim o permitem.

Saiba que também é possível a penhora de 1/6 do vencimento, sendo que neste caso a lei permite duas penhoras em simultâneo de 1/6 fazendo no total 1/3.

 

É possível anular uma penhora ou reduzir o valor ?

Para anular a penhora só mesmo pagando a dívida ou entrando em acordo com o credor, no entanto é possível reduzi o valor da penhora de 1/3 para 1/6 apresentando para isso um requerimento no tribunal com os respectivos dados de processo e endereçada ao juiz, juntamente com as razões do seu pedido.Se o valor retirado do seu ordenado está a fazer-lhe diferença ao ponto de não ter dinheiro para a sua subsistência, então será certamente uma boa razão.

Também pode requerer a isenção da penhora durante o período máximo de 12 meses, efectuando os mesmos passos como se fosse pedir uma redução para 1/6. Recomendamos que caso tenha possibilidade de só diminuir a penhora para 1/6 será muito melhor , porque verá ao longo do tempo que com isso já liquidou uma boa parte da dívida.

Como é realizada a penhora na minha entidade patronal ?

O solicitador envia a acção para a entidade patronal e a mesma fica obrigada a todos os meses retirar do seu vencimento o valor correspondido da penhora e também enviar ao solicitador os comprovativos do pagamento do seu vencimento, de forma a ter consigo as provas do que realmente recebe.

Em caso de despedimento e que envolva compensação monetária, o solicitador está no seu direito de ficar com 1/3 do valor caso assim entenda. Existe casos em usufruiram deste direito e em outros não, portanto é sempre uma incógnita e provavelmente só saberá se chegar alguma informação de parte do solicitador à empresa.

Subsídio de férias e natal são penhoráveis ?

Também são penhoráveis, no entanto aqui a penhora também varia de solicitador, porque existe casos de solicitadores que não exigem a penhora nos subsídios, mas de forma geral maioria penhoram.

Não fui avisado da penhora, é legal ?

Sim, é legal, porque numa penhora salarial não existe obrigatoriedade de notificação prévia.

Conclusão

Quando se chega a esta situação e estando só a falar de um crédito em incumprimento, o melhor a fazer é mesmo deixar passar o tempo que a dívida mais tarde ou mais cedo estará paga. Mas se tem uma penhora no seu ordenado e outras em “fila de espera” de outros credores, então a sua situação a nosso ver é de falência pessoal , porque deduzimos que não tem meios para pagar as dívidas e nesse caso deverá recorrer ao tribunal a sua insolvência pessoal.

Caso tenha mais dúvidas sobre penhoras deixe a sua questão nos comentários, teremos todo o prazem em tentar ajudar.

Comments

  1. By LUIS EMILIO

    Reply

    • Reply

  2. By Pedro Francisco

    Reply

    • Reply

      • By Fernando

        Reply

  3. By Rui Dias

    Reply

  4. By Rui Dias

    Reply

    • Reply

  5. By marisa

    Reply

    • Reply

  6. By Francisco Costa

    Reply

    • Reply

  7. By Carla Santos

    Reply

    • Reply

  8. By Carla Santos

    Reply

    • Reply

  9. By Sandra Costa

    Reply

    • Reply

  10. By mara

    Reply

  11. By Isabel Ramos

    Reply

  12. By Vitor Dias

    Reply

  13. By joao

    Reply

  14. By Manuel Ferreira

    Reply

    • Reply

  15. By Maria Correia

    Reply

  16. By Pedro Francisco

    Reply

  17. By Nádia Coelho

    Reply

  18. By José

    Reply

  19. By J. Antonio

    Reply

    • Reply

  20. By FABIO

    Reply

    • Reply

  21. By M.Esc

    Reply

  22. By J,Simões

    Reply

  23. By Sandra

    Reply

  24. By Casimiro Angelino Castanheira

    Reply

  25. By Ana Costa

    Reply

  26. By R. Mendes

    Reply

  27. By paulo

    Reply

  28. By fabio

    Reply

  29. By andre

    Reply

  30. By jose rouxinol

    Reply

  31. By Mário Silva

    Reply

  32. By Joao Lopes

    Reply

  33. By Ricardo Cabo

    Reply

    • By Ricardo Cabo

      Reply

  34. By Helder

    Reply

  35. By Sandra Fernandes

    Reply

  36. By Carla Rodrigues

    Reply

  37. By Marilin

    Reply

  38. By Luis Neto

    Reply

  39. By jose matos

    Reply

  40. By Ana Ribeiro

    Reply

  41. By Luisa Guedes

    Reply

    • Reply

  42. By Luisa Guedes

    Reply

    • Reply

  43. By frederico

    Reply

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>