Cobranças de dívidas

Quem passou ou passa por dificuldades financeiras e não está a conseguir honrar os seus compromissos bancários, sabe perfeitamente que a pressão por parte dos credores torna-se cada vez mais activa à medida que o tempo avança e a dívida não é paga.

cobrança de dividas

Muitas das empresas credoras tornam-se agressivas no processo de cobrança da dívida, existindo mesmo casos em que a ilegalidade no processo é iminente, contudo estas acções passam impunes na maioria das vezes por falta de supervisão de uma entidade reguladora ou mesmo por falta de queixa por parte do cliente.

Ultimatos sobre penhoras

É comum assistir a telefonemas por parte do departamento de cobranças a ultimarem os clientes ao pagamento da dívida, caso contrário avançam com a penhora dos seus bens.

Não deixa de ser um “aviso” real porque de facto podem avançar para o arresto dos seus bens, contudo dizer que de um dia para o outro lhe vão a casa buscar tudo, não passa de pura pressão para pagar o que está em falta.

Saliento que a penhora dos bens é real e legal para quem falta com o pagamento de prestações de créditos, logo tentar pagar o mais depressa possível é a melhor solução e caso não consiga tente uma renegociação de créditos com o credor de forma a agilizar o pagamento de acordo com os seus rendimentos auferidos mensalmente.

Telefonemas para o trabalho

Existe relatos em que para terem uma cobrança bem sucedida , e colocar mais pressão sobre o devedor, ameaçam e por vezes chegam mesmo a fazer, telefonemas para o trabalho a informar da dívida à entidade patronal.

Sinceramente tenho dúvidas quanto à parte legal, mas do ponto de visto ético reprovo totalmente qualquer atitude destas, porque deve ser mantido a confidencialidade do cliente, independentemente de o mesmo estar em incumprimento ou não.

O que fazer para acabar com isto?

Para coloca um ponto final na situação terá que agir e encontrar uma solução para o seu incumprimento. Solução essa que passará por uma destas situações:

Em caso de verificar que as cobranças estão a ser abusivas, contacte um advogado ou associação que lhe permita esclarecer até que ponto a entidade credora pode ir.

Relembro também que pode apresentar queixa por escrito e enviar para as autoridades competentes, assim como aconselho sempre que se vir numa situação destas, tentar que lhe seja facultado o nome da pessoa que está a fazer a cobrança, seja ela pessoal ou por telefone.

Comments

  1. By Marilin

    Responder

  2. By João Miguel

    Responder

  3. By Filipa

    Responder

  4. By Maria Rosinda Madeira

    Responder

  5. By Diogo

    Responder

  6. By Maria João

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *