6 Dicas para Gastar Menos

Poupar mais rumo aos seus objetivos

Se acorda todos os dias determinado em poupar dinheiro e, se chega ao fim do dia desiludido consigo mesmo, não está sozinho.

Estudos passados revelam que a maioria das pessoas gasta todo o seu dinheiro e, por vezes, até mais do que o que realmente ganham.

Esta realidade impede que milhões de pessoas consigam poupar dinheiro e cumprir as principais metas financeiras:

● criar um fundo de emergência

● comprar uma casa

● poupar para quando os filhos forem para a universidade

● poupar para a reforma

A tentação de gastar dinheiro está em toda a parte.

Estamos a viver numa sociedade de “microondas”, onde as pessoas querem o que querem e querem agora.

Mas, com um pouco de planeamento, pode reverter essa mentalidade e colocar-se no caminho ideal para alcançar a sua independência financeira.

Poupar mais rumo aos seus objetivos

Aseguir encontrará 6 dicas para ajudá-lo a gastar menospoupar mais e alcançar os seus objetivos financeiros.

1. Monitorize os seus gastos

As pessoas que têm dificuldade em viver dentro das suas possibilidades, normalmente, carecem de duas percepções cruciais sobre a sua situação financeira. Elas não entendem quanto dinheiro ganham e quanto gastam.

Muitas pessoas pensam, de forma errada, que o seu salário representa verdadeiramente o que elas ganham, mas isso não é verdade. É fácil dizermos: “Eu ganho 12.000€ por ano”.

Mas, no entanto, o que realmente ganha por ano é muito menos que isso, graças aos impostos e deduções.

Esse erro de cálculo faz com que muitos gastem mais do que ganham.

Se se encontra numa situação semelhante, monitorize os seus gastos e avalie quanto dinheiro realmente leva para casa todos os meses.

Não estou a dizer para fazer grandes cortes nas suas despesas já amanhã.

Simplesmente recomendo que comece a monitorar os seus gastos e a reduzir as suas despesas aos poucos.

2. Crie um orçamento

Muitas pessoas permanecem relutantes em relação ao orçamento. No entanto, começar a criar e aplicar um orçamento é mais importante do que nunca.

Com a nova era digital, as transações comerciais sofreram uma grande alteração. Carregar em alguns números no seu teclado e pressionar enviar não tem o mesmo impacto que tirar o dinheiro da sua carteira.

Mas, nem tudo desta nova era é mau, muito pelo contrário. Pode aproveitar as novas tecnologias e utilizar aplicações no seu telemóvel que facilitam em muito o controlo dos seus gastos.

Isso é fundamental para que consiga entender para onde está a ir o seu dinheiro.

3. Comece a poupar automaticamente

Ter um orçamento, que pode consultar a qualquer momento, coloca-o numa posição muito melhor para que consiga pagar as suas dívidas.

Este é o momento da decisão: ou começa num novo caminho da poupança , ou continua a viver acima das suas possibilidades e acumula novas dívidas.

Lembre-se que a vida é repleta de motivos para gastarmos dinheiro, desde o pagamento da hipoteca até às atividades escolares dos nossos filhos, por isso, precisa de estar ciente de quais são as suas prioridades.

Quanto mais cedo começar a colocar dinheiro de lado para a reforma melhor.

Coloque, por exemplo, 5% dos seus rendimentos mensais automaticamente na sua conta de poupança da reforma.

A melhor forma de poupar é automatizando todo o processo, tendo contas separadas para os diversos fins.

4. Guarde ou invista os seus aumentos

Acabou de receber a notícia de que vai receber um aumento e quer celebrar. Mas, se está a tentar manter um estilo de vida de “poupador”, gastar esse dinheiro numa festa ou numas férias pode ser um grande erro.

Quando recebe um aumento, não significa que deve passar a gastar mais dinheiro.

Se conseguia viver antes com o dinheiro que recebia, agora também vai conseguir viver.

Coloque de parte o que agora recebe a mais para se proteger do amanhã.

Se já se habituou a viver com um valor fixo e pode investir o resto, irá acordar um dia e irá perguntar-se como é que a sua conta poupança atingiu um valor tão alto.

5. Abstenha-se do exterior

Hoje em dia, os lançamentos de novos produtos atacam-nos em todos os sentidos, desde a televisão às redes sociais, passando pelos ​outdoors e pelas rádios. Todos esses anúncios podem levar as pessoas a gastar mais do que deveriam.

Muitas vezes vejo pessoas a fazer compras até gastarem o último euro que lhes sobrou na conta bancária, então se algum dia as circunstâncias mudam, tudo se complica.

Por exemplo, fazer um crédito habitação onde estipula que o valor da prestação seja a quantia máxima que tem disponível todos os meses pode deixá-lo vulnerável.

Imagine que a casa vem a precisar de algum reparo, que perde o seu emprego, ou que tem alguma despesa médica inesperada, como será depois?

6. Sincronize os seus valores

Se realmente quer ter um hábito de “poupador”, então os seus valores precisam de estar alinhados.

Depois de monitorizar as suas despesas durante um ou dois meses, alguns padrões devem surgir.

Coloque estas duas questões a si mesmo:

Cada uma destas despesas corresponde aos meus valores?

● Existem áreas onde gasto dinheiro que não contribem para a minha felicidade geral?

Se a resposta para alguma das questões (ou para ambas) for sim, faça as alterações necessárias.

Evitar o uso de cartões de crédito também é uma boa estratégia, visto que o ajuda a não comprar aquilo que queria, e que não consegue pagar.

Usar o verdadeiro dinheiro para fazer as compras ajuda as pessoas a entender a realidade do que estão a pagar por cada objeto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.